Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

onde comer os melhores caracóis de lisboa

12524158_1134097383301219_5672419458273741080_n (1

A minha querida Mulher Mistério é uma pessoa fácil de agradar – graças a Deus! Basta ser recebida num restaurante com um:

– Olá, minha linda!...

...para imediatamente eleger esse como o melhor serviço do mundo. E o melhor serviço do mundo foi coroado na semana passada, com distinção e louvor, no Filho do Menino Júlio dos Caracóis. Esse mesmo. Não o Júlio, não o Menino Júlio, mas o próprio do Filho do Menino Júlio, que por acaso também se chama Júlio.

Eu sei que é difícil de acompanhar, mas faça um esforço, porque este é, sem margem para dúvidas, um dos melhores sítios para comer caracóis em Lisboa. (Antes de correr para o Facebook para me chicotear em público por causa das enormidades que digo, repare que eu disse "um dos melhores" por isso tenho aqui alguma margem para clemência).

Todos os anos, eu pego na populosa Família Mistério e vou em romaria até este paraíso dos caracóis. Os meus prezados Filhos Mistério são absolutamente viciados no petisco – contam os dias até à abertura da época. E, na semana passada, estreámos esta verdadeira delícia da natureza.

 

 

mercearia do miguel, um recanto de charme escondido em frente ao douro para um almoço leve de verão

13174170_878179328959674_5886985518600458529_n.jpg

Convém começar este texto pelas evidências: chama-se Mercearia do Miguel porque, em primeiro lugar, é uma mercearia e, em segundo lugar, o dono chama-se... Nuno. Calma, não entre já em modo Indignação-Bruno-de-Carvalho. É claro que há um sócio. Que se chama: Teresa.

Na verdade, o Miguel foi o primeiro proprietário da mercearia fundada em 1958. Agora, Teresa e Nuno recuperaram o velho espaço e transformaram-no numa mercearia pequena e cheia de charme que também tem umas mesas para quem quer comer qualquer coisa leve: três na sala minúscula e mais três na esplanada microscópica. Mas é precisamente o facto de aqui tudo ser praticamente em miniatura que transforma a Mercearia do Miguel num sítio encantador e carregado de charme onde se pode petiscar alguns pratos simples feitos com o que está à venda: saladas, tostas, bruschettas, queijos, presuntos, enchidos ou uns deliciosos bolos caseiros que podiam perfeitamente ter sido feitos pela minha saudosa tia Zulmira.

 

isto é nas maldivas? é nas seychelles? não, é na mais espectacular esplanada do porto

12191750_985389181504344_913228105700820901_n.jpg

Eu podia fazer este artigo só com fotografias: os nossos queridos leitores livravam-se das minhas por vezes descabidas considerações e eu tinha muito mais facilidade em explicar tudo sobre o L'Kodac, na praia do Aterro, em Leça da Palmeira.

Em vez de dizer que o restaurante e a esplanada ficam literalmente em cima da praia, bastava mostrar esta imagem...

 

 

hoje é dia de pizza, de presuntos e de queijos tostados a derreter à sua frente – é dia de falar da nova pizzaria zerozero

12670760_1063766330328135_9003354352485317904_n.jp

Não é fácil ir hoje em dia ao Príncipe Real, no epicentro do furacão turístico de Lisboa. Especialmente se for ao fim-de-semana. E mais especialmente ainda se levar um carro familiar para transportar uma família numerosa. É claro que tudo isto se conseguiu juntar na nossa visita à nova pizzaria ZeroZero. E o resultado foi sermos recebidos de forma semi-violenta por alguém de guarda-chuva em punho.

Depois de mais de meia-hora às voltas, a tentar estacionar na zona do Príncipe Real, encontrámos finalmente um lugar quase à porta. Quando a minha querida Mulher Mistério estava a começar a arrumar, ouvimos alguma coisa a bater no carro: era uma mulher, aos gritos a martelar com o chapéu-de-chuva no capô. A senhora (que, depois de confirmarmos, podemos garantir não se tratar de João Soares) estava em pé, há mais de cinco minutos, no meio da rua, a guardar o lugar para o marido, do qual não havia o mínimo sinal no horizonte. Qualquer carro que se aproximasse era tratado à guarda-chuvada.

Com a sua paciência de freira de clausura, a minha querida Mulher Mistério evitou a discussão e continuou em busca de um estacionamento que apareceu 15 minutos depois, a 800 metros de distância.

Mas as esperas não acabam aqui. Depois de conseguir estacionar o carro, é preciso esperar à porta porque o restaurante não aceita reservas. E essa é a grande vantagem do ZeroZero.

 

pizza fácil com massa de couve flor, que é o mesmo que dizer quase sem hidratos de carbono

Esta receita é música para os meus ouvidos. Quando a descobri, parece que me caiu uma lágrima de emoção, não tantas como as do Paulo Portas na hora da despedida, mas estive perto. Pensando bem, estou há tanto tempo em dieta como o Paulo Portas esteve à frente do partido… talvez mais. Bem, mas voltando a esta ideia fantástica do blog Gimme Delicious: a maravilha desta pizza é que não tem farinha e tem poucos hidratos de carbono. É hoje que vou “enganar” os miúdos com esta receita. Aposto que eles nem vão perceber a diferença.

Só vou precisar de uma cabeça média de couve-flor, queijo parmesão ralado, queijo mozzarella, um ovo, sal, alho em pó, alecrim ou manjericão picados, orégãos, molho marinara e mais queijo mozzarella. Se quiser saber as quantidades certas destes ingredientes, espreite aqui a receita original.

califlower-crust-pizza-46.jpg

 

como fazer uma única bolacha num minuto no micro-ondas: a solução ideal para dois pecados capitais (a gula e a preguiça)

Esta receita do blog Pretty Prudent não pode ser mais fácil. Ideal para aqueles dias em que está a sofrer de uma preguicite aguda e, de repente, dá-lhe uma vontade imensa de comer alguma coisa doce (incrível, acontece-me quase todos os dias!). É claro que uma bolacha feita no micro-ondas não é propriamente igual àquelas bolachas douradas e crocantes que são feitas no forno, mas, além de ser deliciosa (porque tem pepitas de chocolate derretidas), fica pronta num minuto. E isso, meus amigos, é imbatível!

Só vai precisar de usar uma taça ou uma caneca para misturar os ingredientes e de um prato para fazer a bolacha no micro-ondas. E que ingredientes preciso? deve estar a questionar-se. E aqui estou eu para informar: manteiga, açúcar, açúcar mascavado, extrato de baunilha, um ovo, farinha, fermento em pó, sal e pepitas de chocolate. Para saber as quantidades certas de cada ingrediente, consulte a receita completa aqui.

IMG_0939.jpg

 

o meu sítio preferido para comer pizzas não é bem um restaurante, é quase uma casa de família

10188_564096093625370_1589443485_n.jpg

Encontrar este restaurante no centro de Cascais pode ser tão difícil como descobrir um cabelo na cabeça do novo presidente da FIFA. O Lambrettazzurra tem cerca de 20 lugares sentados no interior e mais duas mini-mesas acolhedoras na esplanada para quem quiser fumar. 

 

conhece o eduardo das conquilhas? então apresento-lhe o eduardo dos petiscos no mercado de carcavelos

12717748_524145077745757_3324591561433805960_n.jpg

Chegar ao Mercado de Carcavelos pode ser tão difícil como descobrir as Ilhas Kerguelen no mapa. Primeiro, o Google Maps mandou-nos para São Domingos de Rana. Depois, a minha querida Mulher Mistério decidiu que o caminho mais próximo seria por Matarraque. Até que, finalmente, uma simpática senhora na rua resolveu elucidar-nos sobre o trajecto correcto:

– É além.

– Mas... além, onde?

– É além.

– Mas será que me podia explicar o caminho um pouco mais detalhadamente?

– Ah, sim, claro! Segue em frente na rotunda e depois vira à direita. Passa por baixo da linha do comboio e está além.

Finalmente, consegui vislumbrar no horizonte uma ténue esperança de encontrar o Mercado de Carcavelos, mais de uma hora depois de ter saído de Lisboa – por sorte, decidimos ir no fim-de-semana, por isso tivemos tempo para nos perdermos.