Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

como comer sushi como um verdadeiro japonês

2016-01-06-1452093473-6355660-sushimain.jpg

Más notícias: o wasabi não pode tocar no molho de soja. Péssimas notícias: o arroz também não deve ser mergulhado na soja. Terríveis notícias: o sushi não se come com pauzinhos – ou, pelo menos, algum tipo de sushi. 

Eu sei que é informação a mais para um post só, mas depois de anos e anos a ver a minha querida Mulher Mistério a entrelaçar os pauzinhos nos dedos para tentar pegar numa peça de sushi que acaba invariavelmente desfeita em centenas de bagos de arroz espalhados pela mesa, resolvi investigar o assunto: não propriamente o que provoca a descoordenação motora que faz Dela um Eduardo Mãos de Tesoura à mesa, mas antes as mais elementares regras de etiqueta nipónica que a podem ajudar a comer sushi decentemente.

Mas antes que feche os olhos e que imagine uma Paula Bobone de olhos em bico aqui deste lado do computador, deixe-me esclarecer que não se trata apenas das regras de boas maneiras à mesa – mas também da melhor forma de saborear o sushi.

Os conselhos são dados por Naomichi Yasuda, um chef japonês com um restaurante em Tóquio, neste vídeo do Munchies, e por três artigos: um do jornal online Huffington Post, outro da Matador Network e um último do site Gaijin Pot, dedicado ao Japão. Agora abra o caderno de notas e comece a apontar. Mas antes de começarmos, o melhor é lavar as mãos, porque os makis devem ser pegados com os dedos. 

 

sobreiras country hotel, um refúgio de charme a apenas uma hora de lisboa a partir de €85

JM_FAT_Sobreiras_056.jpg

Quando falámos no blog da abertura do Sobreiras Country Hotel, em Grândola, fiquei a contar os dias para conseguir vir aqui passar um fim-de-semana. Só pelas fotografias, este hotel tinha tudo para me deixar rendida porque é basicamente a minha cara: a original e minimalista arquitetura, o branco dos quartos, a piscina infinita sobre a tranquila paisagem alentejana… tudo se conjugava para uns dias de sonho. E de facto, a profecia cumpriu-se. Ou quase…